Atividade da AVE em 2017

A utilização de resíduos como combustíveis alternativos e matéria prima secundária em Portugal

O volume de negócios na AVE - Gestão Ambiental e Valorização Energética foi 10.240.621 euros em 2017. O valor traduz as 404.898 toneladas de resíduos geridos pela empresa, dos quais 286.917 toneladas corresponderam a Combustíveis Alternativos (CA).

A relação com a fileira dos pneus, com recurso à contratação com a sua entidade gestora, a Valorpneu, permitiu continuar a estabelecer uma relação com a entidade homóloga de Espanha e França e com operadores da Holanda e Inglaterra, permitindo assim importar pneus fragmentados (Chips). A quantidade de pneus e seus fragmentos que foram movimentados para as fábricas ascenderam a 65.175 toneladas no ano 2017.

AVE - Gestão Ambiental e Valorização Energética foi ainda responsável pelo encaminhamento 161.732 toneladas de Combustíveis Derivados de Resíduos (CDR’s) em 2017. 

Durante o ano de 2017 foram efetuadas, com sucesso, experiências de consumo de pellets, o que permite considerar este fluxo como estratégico para o futuro.

A importação com recurso a contentores permitiu aumentar a competitividade e a diversidade da oferta, a partir de novas origens do fluxo CDR.

A fileira dos Resíduos Industriais Perigosos (RIP´s), que sofrem um tratamento prévio nas instalações com capacidade de preparação de blending, ofereceu à valorização energética um total de 23.615 toneladas em 2017.

A mobilização de matérias-primas secundárias, resultante da atividade relacionada com ações correntes, atingiram em 2017 uma quantidade total de 59.753 toneladas.

Posicionamento no mercado

A clarificação de regras de avaliação dos combustíveis alternativos (CA), assente numa política que proporciona uma relação win-win, tem feito com que as propostas da AVE - Gestão Ambiental e Valorização Energética sejam bem-recebidas pelas empresas, pela economia e pela sociedade do País.

Reconhecida no sector dos resíduos pelas suas competências, meios técnicos e know-how na realização da atividade, a AVE foi convidada em 2017 para participar em eventos públicos do sector do Ambiente, como as Décimas Jornadas Técnicas Internacionais de Resíduos ou a iniciativa Europeia da Cem-Fuels (www.cemfuels.com/conferences/global-fuels/introduction), onde o Diretor-Geral da AVE foi reconhecido como Project Manager Of the Year.

O ano de 2017 foi também o ano em que a AVE afirmou os seus compromissos com a sustentabilidade e com os princípios da economia circular. Destaca-se a integração em vários grupos de trabalho, constituídos no seio da Associação Smart Waste Portugal (www.smartwasteportugal.com/pt) como o que estudou o destino da fração resto dos tratamentos mecânicos e biólogos dos resíduos sólidos urbanos existentes no país, do qual poderão ser gerados combustíveis derivados de resíduos, ou o que estuda a gestão de resíduos de construção e demolição. No final do ano, a AVE integrou ainda o grupo de trabalho para a formação da proposta da ASWP a apresentar na Secretaria de Estado do Ambiente no âmbito da revisão do PERSU 2020.

Estas iniciativas complementam os esforços que têm vindo a ser realizados nos últimos anos de promoção da atividade do coprocessamento, introduzindo o conceito de valorização material, com reconhecimento técnico da incorporação da fração mineral dos resíduos coprocessados na matriz do clínquer.

A empresa continuou a identificar soluções técnicas para melhorar a qualidade dos CDR’s do mercado, particularmente referente a redução da humidade dos Resíduos Sólidos Urbanos.

A este propósito, a AVE – Gestão Ambiental e Valorização Energética otimizou o exercício do laboratório de análises dos componentes químicos e térmicos dos CA. Este departamento é essencial para o apoio ao procurement de resíduos bem como o essencial controlo de qualidade que ajudará a garantir a estabilidade da qualidade dos CA fornecidos e a avaliação económica.

Em cumprimento das boas práticas laboratoriais, suportadas na aplicação das normas nacionais e internacionais, foram desenvolvidos e aplicados procedimentos de monitorização da qualidade do CDR e outras fileiras de resíduos.

Para além dos parâmetros de poder calorifico, cloro e humidade, a AVE – Gestão Ambiental e Valorização Energética procedeu à implementação de mais dois parâmetros de análise, cinzas e granulometria, essenciais para o processo de avaliação da qualidade/valorização dos combustíveis alternativos.

AVE – Gestão Ambiental e Valorização Energética, S.A. foi constituída em Outubro de 2003 tendo como finalidade a gestão de resíduos e a sua valorização material ou energética pela indústria cimenteira com recurso ao método de coprocessamento.

Coprocessamento:

O coprocessamento consiste na destruição completa de resíduos – previamente preparados e identificados como adequados para a substituição de combustível fosseis e/ou matérias-primas na produção de clínquer nos fornos das cimenteiras, assegurando os padrões de qualidade de produto, eficiência energética e salvaguarda ambiental conforme a certificação oficial destas unidades fabris.

A utilização de resíduos como combustível e/ou matéria primas alternativas, contribui para a preservação de recursos naturais limitados e não renováveis. Não obstante estar integrado num processo industrial, do coprocessamento destes resíduos nos fornos das cimenteiras não resulta qualquer desperdício – dado que não há resíduos remanescentes – nem qualquer passivo ambiental.

Esta técnica amplamente utilizada em diversos países do mundo desde 1976. Está cientificamente comprovada como uma das melhores soluções ambientais e económicas para o destino final de numerosas fileiras de resíduos, assumindo-se como solução privilegiada para o desenvolvimento sustentável da sociedade contemporânea.